Sócrates encontra Marx

Socrates meets marx

Sócrates encontra Marx
Socrates meets Marx: The Father of Philosophy Cross-Examines the Founder of Communism
Peter Kreeft

2003
Avaliação (5 de 5): 

Você já imaginou como seria um diálogo entre dois personagens que entraram para a História e que nunca se encontraram? Imagine que um destes sujeitos é o filósofo Sócrates e que resolve analisar uma obra do segundo que é, neste caso, Karl Marx, além de tentar ajudar este a conhecer a si mesmo. É isto o que ocorre neste livro formidável de Peter Kreeft.

Ao longo do livro, o Manifesto do Partido Comunista é analisado por Sócrates que, devido à sua incansável busca pela verdade, acaba, vez ou outra, por irritar Karl Marx.

O livro é um diálogo interessante entre estes homens cujas pouquíssimas semelhanças resumem-se basicamente a serem feios e serem responsáveis por idéias que influenciaram – e ainda influenciam – tanta gente.

Com muitas referências a outros nomes marcados na História, o livro faz o leitor acompanhar um bem-humorado e, ao mesmo tempo, sério e importante debate.

Trecho de um dos capítulos do livro. Tradução livre do autor deste blog.

MARX: Que tortura você vai realizar em mim, Doutor Sócrates? Você vai me dissecar?
SOCRATES: Não. Vou dissecar somente o seu livro.
MARX: Você já não sabe exatamente o que está no meu livro?
SOCRATES: Eu sei. Mas você pode não sabê-lo.

Palestra – Foro de São Paulo

Exímia conhecedora da história recente da América Latina e respeitada intelectual, Graça Salgueiro domina o tema como ninguém no Brasil, e proferiu a seguinte palestra que é, sem dúvida um must-watch a todos os brasileiros e latino-americanos, em geral.

Vale a pena ver esta aula! É impossível entender o que está acontecendo em nosso continente e as políticas interna e externa de nosso país e seus vizinhos sem saber o que é esta organização que está associada às FARC e ao MIR chileno e que busca recuperar o que foi perdido com o fim da União Soviética. Daí, a relação estreita de muitos países da América Latina com Cuba e a expansão do bolivarianismo em nosso continente.

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civlização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental
How the Catholic Church built western civilization
Thomas E. Woods Jr.

2005
Avaliação (5 de 5): 

O historiador Thomas E. Woods Jr., PhD, faz nesta obra um apurado de fatos que mostram a contribuição, a gigantesca contribuição, que a Igreja Católica deu para a formação da nossa civilização Ocidental, tão atacada hoje em dia.

Avanços científicos, controvérsias e polêmicas são descritas de uma forma imparcial, mostrando-nos o que muitas vezes nos é ocultado, proposital ou involuntariamente, nas aulas de história nas universidades brasileiras bem como nos ensinos fundamental e médio, seja por ignorância, seja por mau caráter, justamente proveniente dos que querem tanto atacar a Civilização Ocidental que, devido às suas sólidas bases com o direito romano, a filosofia grega e a moral judaico-cristã,  impede a implantação de utopias totalitárias.

Quantos não pensam que a Igreja foi contra a Ciência e que era medieval foi uma “época de trevas”? O que muitos não sabem é que foi a Igreja, segui quem fundou as Universidades e justamente durante a Idade Média! As Universidades de Bologna, Salermo, Sorbonne, Montpellier, Roma e Siena são apenas algumas das mais antigas e notáveis.

São informações como estas que encontramos nesta obra que é sem dúvida, para todos, católicos ou não, ocidentais ou não, must-read.

Vale lembrar que o professor Woods Jr. nem era católico.

Para se ter uma noção do que é abordado no livro, deixo um índice com alguns dos conteúdos nele inseridos:

  1. A Igreja indispensável;
  2. Uma luz nas trevas;
  3. Como os monges salvaram a civilização;
  4. A Igreja e a Universidade;
  5. A Igreja e a Ciência;
  6. Arte, arquitetura e a Igreja;
  7. As origens da Lei internacional;
  8. A Igreja e a Economia; (Vale salientar que Thomas Woods Jr. também é da área de Economia.)
  9. Como a caridade católica mudou o mundo;
  10. A Igreja e a Lei ocidental;
  11. A Igreja e a moralidade ocidental;
  12. Um mundo sem Deus.

Ele ainda gravou alguns programas, Catholic Church, builder of western civilization, que podem ser assistidos aqui.

ps.: Tradução livre do autor deste blog para o índice dos conteúdos.

A infelicidade do século

Este livro deveria ser lido por todos que interessam-se e, principlmente, rejeitam, como eu, o Comunismo e o Nazismo.

A infelicidade do século – sobre o Comunismo, o Nazismo e a unicidade da Shoah
Lê Malheur du Siècle
Alain Besançon

2000
Avaliação (5 de 5): 

O renomado historiador francês Alain Besançon faz, nesta obra, um paralelo entre as duas grandes desgraças da humanidade, que ergueram-se e dominaram parte do mundo durante o século XX: o Nazismo e o Comunismo.

A. Besançon nos convida a analisarmos juntos através de um questionamento que ele faz baseado num raciocínio lógico que, porém, muitas vezes passa despercebido: Por que Comunismo e Nazismo, sendo tão semelhantes, recebem, atualmente, tratamento tão diferentes? Um já caiu no esquecimento, ao passo que o outro continua a se estrebuchar.

Apesar de serem ideologias diferentes e ditas rivais, possuíam muitas – muitas mesmo, mais que nós podíamos supor – características em comum. E isto nos é mostrado através de análises das destruições física, moral e política que ambos regimes promoveram. Com isso fica evidente a semelhança demoníaca entre esses dois sistemas.

Acompanhe a lista na página LIVROS do blog, ou clicando aqui.

Trecho dA infelicidade do século:

A primeira [questão] tem a ver com a consciência histórica, que me parece, hoje, sofrer gravemente de falta de unidade. O desacordo tem a ver com o que este século tem de mais característico em relação aos outros: a extraordinária amplitude do massacre de homens feito por homens, que só foi possível pela tomada do poder pelo comunista leninista e pelo nazismo de tipo hitlerista.

A Inquisição em seu mundo

Recomendo bastante esta obra fantástica que trata de um assunto tão polêmico e, por vezes, muito destorcida, proposital ou inconscientemente.

A Inquisição em seu mundo
A Inquisição em seu mundo
João Bernardino Gonzaga

1994
Avaliação (5 de 5):

João Bernardino Gozaga, professor de Direito da USP, fez neste livro, o que muitos historiadores, e pseudoprofessores de História não fazem: usar do processo básico de historiografia, para poder avaliar de forma correta os eventos de uma determinada época.

Avaliando não somente a cultura local, mas também hábitos, fatos, acontecimentos históricos importantes, o professor fala do povo medieval e sua forma de vida, nos capítulos iniciais, para que, assim, se possa entender melhor a Inquisição. Daí, o nome A Inquisição em seu mundo.

Com isso, evita-se o erro cometido por muitos ignorantes e professores de cursinhos que insistem em querer julgar a Inquisição sob o modo de vida atual.

Esta é uma das poucas obras em português sobre o assunto, mas é bom que você saiba ainda o italiano, o francês, o latim e o espanhol devido às inúmeras citações contidas no mesmo. Afinal, este livro é o resultado de um estudo apuradíssimo, baseado em vários livros de renome e imparcialidade sobre o tema – alguns são de origem européia, e não têm versão traduzida.

Deixo-vos um .pdf o qual achei no site São Pio V. Clique aqui para baixar.

ps.: Apesar do sobrenome, o autor não é meu parente!

Acompanhe a lista na página LIVROS do blog, ou clicando aqui.

Recomendo bastante esta obra fantástica que trata de um assunto tão polêmico e, por vezes, muito destorcida, proposital ou inconscientemente.