Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civlização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental
How the Catholic Church built western civilization
Thomas E. Woods Jr.

2005
Avaliação (5 de 5): 

O historiador Thomas E. Woods Jr., PhD, faz nesta obra um apurado de fatos que mostram a contribuição, a gigantesca contribuição, que a Igreja Católica deu para a formação da nossa civilização Ocidental, tão atacada hoje em dia.

Avanços científicos, controvérsias e polêmicas são descritas de uma forma imparcial, mostrando-nos o que muitas vezes nos é ocultado, proposital ou involuntariamente, nas aulas de história nas universidades brasileiras bem como nos ensinos fundamental e médio, seja por ignorância, seja por mau caráter, justamente proveniente dos que querem tanto atacar a Civilização Ocidental que, devido às suas sólidas bases com o direito romano, a filosofia grega e a moral judaico-cristã,  impede a implantação de utopias totalitárias.

Quantos não pensam que a Igreja foi contra a Ciência e que era medieval foi uma “época de trevas”? O que muitos não sabem é que foi a Igreja, segui quem fundou as Universidades e justamente durante a Idade Média! As Universidades de Bologna, Salermo, Sorbonne, Montpellier, Roma e Siena são apenas algumas das mais antigas e notáveis.

São informações como estas que encontramos nesta obra que é sem dúvida, para todos, católicos ou não, ocidentais ou não, must-read.

Vale lembrar que o professor Woods Jr. nem era católico.

Para se ter uma noção do que é abordado no livro, deixo um índice com alguns dos conteúdos nele inseridos:

  1. A Igreja indispensável;
  2. Uma luz nas trevas;
  3. Como os monges salvaram a civilização;
  4. A Igreja e a Universidade;
  5. A Igreja e a Ciência;
  6. Arte, arquitetura e a Igreja;
  7. As origens da Lei internacional;
  8. A Igreja e a Economia; (Vale salientar que Thomas Woods Jr. também é da área de Economia.)
  9. Como a caridade católica mudou o mundo;
  10. A Igreja e a Lei ocidental;
  11. A Igreja e a moralidade ocidental;
  12. Um mundo sem Deus.

Ele ainda gravou alguns programas, Catholic Church, builder of western civilization, que podem ser assistidos aqui.

ps.: Tradução livre do autor deste blog para o índice dos conteúdos.

A infelicidade do século

Este livro deveria ser lido por todos que interessam-se e, principlmente, rejeitam, como eu, o Comunismo e o Nazismo.

A infelicidade do século – sobre o Comunismo, o Nazismo e a unicidade da Shoah
Lê Malheur du Siècle
Alain Besançon

2000
Avaliação (5 de 5): 

O renomado historiador francês Alain Besançon faz, nesta obra, um paralelo entre as duas grandes desgraças da humanidade, que ergueram-se e dominaram parte do mundo durante o século XX: o Nazismo e o Comunismo.

A. Besançon nos convida a analisarmos juntos através de um questionamento que ele faz baseado num raciocínio lógico que, porém, muitas vezes passa despercebido: Por que Comunismo e Nazismo, sendo tão semelhantes, recebem, atualmente, tratamento tão diferentes? Um já caiu no esquecimento, ao passo que o outro continua a se estrebuchar.

Apesar de serem ideologias diferentes e ditas rivais, possuíam muitas – muitas mesmo, mais que nós podíamos supor – características em comum. E isto nos é mostrado através de análises das destruições física, moral e política que ambos regimes promoveram. Com isso fica evidente a semelhança demoníaca entre esses dois sistemas.

Acompanhe a lista na página LIVROS do blog, ou clicando aqui.

Trecho dA infelicidade do século:

A primeira [questão] tem a ver com a consciência histórica, que me parece, hoje, sofrer gravemente de falta de unidade. O desacordo tem a ver com o que este século tem de mais característico em relação aos outros: a extraordinária amplitude do massacre de homens feito por homens, que só foi possível pela tomada do poder pelo comunista leninista e pelo nazismo de tipo hitlerista.

A Inquisição em seu mundo

Recomendo bastante esta obra fantástica que trata de um assunto tão polêmico e, por vezes, muito destorcida, proposital ou inconscientemente.

A Inquisição em seu mundo
A Inquisição em seu mundo
João Bernardino Gonzaga

1994
Avaliação (5 de 5):

João Bernardino Gozaga, professor de Direito da USP, fez neste livro, o que muitos historiadores, e pseudoprofessores de História não fazem: usar do processo básico de historiografia, para poder avaliar de forma correta os eventos de uma determinada época.

Avaliando não somente a cultura local, mas também hábitos, fatos, acontecimentos históricos importantes, o professor fala do povo medieval e sua forma de vida, nos capítulos iniciais, para que, assim, se possa entender melhor a Inquisição. Daí, o nome A Inquisição em seu mundo.

Com isso, evita-se o erro cometido por muitos ignorantes e professores de cursinhos que insistem em querer julgar a Inquisição sob o modo de vida atual.

Esta é uma das poucas obras em português sobre o assunto, mas é bom que você saiba ainda o italiano, o francês, o latim e o espanhol devido às inúmeras citações contidas no mesmo. Afinal, este livro é o resultado de um estudo apuradíssimo, baseado em vários livros de renome e imparcialidade sobre o tema – alguns são de origem européia, e não têm versão traduzida.

Deixo-vos um .pdf o qual achei no site São Pio V. Clique aqui para baixar.

ps.: Apesar do sobrenome, o autor não é meu parente!

Acompanhe a lista na página LIVROS do blog, ou clicando aqui.

Recomendo bastante esta obra fantástica que trata de um assunto tão polêmico e, por vezes, muito destorcida, proposital ou inconscientemente.

O guardião de memórias

Acompanhe a lista na página LIVROS do blog, ou clicando aqui.

Começo aqui, no Lugar de estudante, uma série de posts comentando os livros que vou terminando de ler.

Para abrir a série, gostaria de falar dO guardião de memórias.

O Guardião de Memórias
The Memory Keeper’s Daughter
Kim Edwards

2007
Avaliação:

Antes de começar a lê-lo, só pelo texto da contracapa, reparei uma semelhança com The man in the iron mask, e como eu gostei deste, resolvi ler esta obra da Kim Edwards.

De fato, estes livros têm sua história, algo parecido. Ambos falam de dois irmãos gêmeos que, separados ao nascer, crescem em vidas completamente diferentes.

O guardião de memórias possui uma história interessante e envolvente que faz com que você fique preso a cada capítulo, não conseguindo parar de ler até saber como termina cada um.

O “miolo” da história é, em geral, muito bom. Mas nem tudo são flores. A autora utiliza-se bastante de descrições, o que, na minha opinião, deixa a leitura um pouco mais chata por se tornar mais cansativa.

Outro aspecto ruim, foi o desfecho. O livro caiu muito no meu conceito quando terminei de lê-lo, pois o final foi, sinceramente, decepcionante. Não por ser ruim, mas por ser simples demais, ainda mais para O guardião de memórias que é tão rico em descrições e conta minunciosamente o que acontece em cada evento.

Esperava um final diferente para quase todos os personagens, entretanto, é bom ter histórias que fogem dos famigerados clichês típicos de filmes da Sessão da tarde, onde no último minuto tudo se resolve.

____________________

Quero deixar bem claro que não estou fazendo apologia a nenhum dos absurdos descritos nessa história fictícia, afinal, por ser uma obra inventada, não-verídica, e que se limita à imaginação do autor, tudo pode acontecer, ainda que isso não seja correto, ou mesmo possível.