Entenda o que está acontecendo no Brasil – O que é Marxismo Cultural?

É simplesmente impossível enteder o que está a acontecer em nosso país – e no mundo – sem primeiro saber o que é o Marxismo Cultural.

Não pense que é por acaso que todos gritam “penso diferente de todos” quando todos pensam exatamente a mesma coisa.

O Padre Paulo Ricardo fez uma série de palestras em que explica tin-tin por tin-tin o que é este movimento. Como e porquê surgiu, qual o contexto de sua origem, como age, onde está etc.

Não é por acaso também que os sucessivos ataques ao direito romano, à filosofia grega e, sobretudo, à moral judaico-cristã começaram a ocorrer de forma organizada e metódica numa mesma época e prolongam-se até hoje e cujos efeitos já são observáveis e, claro, preocupantes.


De boa, não importa sua religião, não deixe de assistir a estas palestras por preconceito (só porque é um padre quem as profere). Até porque tudo aí independe de credo. Basta ser humano e de boa intenção para ser de seu interesse.

Rapidinho, é o seguinte: os comunas perceberam que a revolução que eles tanto querem nunca daria certo. Era preciso modificar a mentalidade do povo. Isto é um baita desafio. A Escola de Frankfurt chegou à conclusão que, para tanto, era preciso derrubar os pilares que sustentam a Civilização Ocidental, o direito romano, a filosofia grega e a moral judaico-cristã.

Daí, ser preciso fazer uma verdadeira lavagem cerebral na população. Tal lobotomização está ocorrendo há tempos, por meios culturais.

Livros, novelas, educação à la Paulo Freire, revistas… Aos poucos, idéias vão sendo implantadas na cabeça de todos que, sem preceber, começam a pensar diferente, a concordar com o que eles querem que você pense.

Muitos não percebem o que está acontecendo, principalmente quando é com eles mesmos, uma vez que já estamos cercados por todos lados de tal influência. Afinal, “o peixe não vê a água na qual nada”.

Na educação, pedagogia do oprimido.
Na cultura popular, novelas, filmes, séries e músicas que pregam a promiscuidade, o desprezo à família, o adultério e tutti quanti.
Na história, livros altamente viesados, com mentiras e deturpações.
No jornalismo, manchetes e notícias que distorcem a realidade, e prestam serviço de desinformação e/ou contra-informação.
Na Igreja, Teologia da Libertação, que estupra a Sagrada Liturgia, rebela-se contra o Papa, contesta a autoridade Ecleisástica.
No ambientalismo, um radicalismo impressionante.

Não precisamos ir muito longe para encontrarmos casos e mais casos que comprovam a ação destrutiva do Marxismo Cultural em nossa sociedade. Observe você mesmo.

Um exemplo clássico? Vide a relação dos gays com a esquerda. Era crime ser gay em alguns países comunistas. O gay em si, devido à sua falta de virilidade, era tido como não-útil para a revolução (armada).

Como agora a investida é cultural, atacar um dos pilares citados acima com o “casamento” gay, por exemplo, passa ser útil ao comunismo. Daí, agora a esquerda usar alguns gays para seus planos.

Mas não pensem que os gays terão tratamento diferente do que tiveram em países comunistas todos estes anos, quando eles não forem mais úteis à causa esquerdista novamente.

Outro exemplo: a religião, que outrora era considerada por marxistas ser o ópio do povo, de repente passou a ser habitada por muitos esquerdistas que a utilizam para injetar na cabeça dos fiéis as idéias destrutivas de sua ideologia, causando confusão e perdição.

É um verdadeiro câncer, um mal infiltrado, que ataca por dentro provocando muita destruição e sendo mais perigoso que ameaças externas que são visíveis, conhecidas.

Lutemos contra este câncer que infiltra-se em diversos campos e tenta destruir por dentro a nossa civilização e a nós mesmos.

Continuar lendo

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civlização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental
How the Catholic Church built western civilization
Thomas E. Woods Jr.

2005
Avaliação (5 de 5): 

O historiador Thomas E. Woods Jr., PhD, faz nesta obra um apurado de fatos que mostram a contribuição, a gigantesca contribuição, que a Igreja Católica deu para a formação da nossa civilização Ocidental, tão atacada hoje em dia.

Avanços científicos, controvérsias e polêmicas são descritas de uma forma imparcial, mostrando-nos o que muitas vezes nos é ocultado, proposital ou involuntariamente, nas aulas de história nas universidades brasileiras bem como nos ensinos fundamental e médio, seja por ignorância, seja por mau caráter, justamente proveniente dos que querem tanto atacar a Civilização Ocidental que, devido às suas sólidas bases com o direito romano, a filosofia grega e a moral judaico-cristã,  impede a implantação de utopias totalitárias.

Quantos não pensam que a Igreja foi contra a Ciência e que era medieval foi uma “época de trevas”? O que muitos não sabem é que foi a Igreja, segui quem fundou as Universidades e justamente durante a Idade Média! As Universidades de Bologna, Salermo, Sorbonne, Montpellier, Roma e Siena são apenas algumas das mais antigas e notáveis.

São informações como estas que encontramos nesta obra que é sem dúvida, para todos, católicos ou não, ocidentais ou não, must-read.

Vale lembrar que o professor Woods Jr. nem era católico.

Para se ter uma noção do que é abordado no livro, deixo um índice com alguns dos conteúdos nele inseridos:

  1. A Igreja indispensável;
  2. Uma luz nas trevas;
  3. Como os monges salvaram a civilização;
  4. A Igreja e a Universidade;
  5. A Igreja e a Ciência;
  6. Arte, arquitetura e a Igreja;
  7. As origens da Lei internacional;
  8. A Igreja e a Economia; (Vale salientar que Thomas Woods Jr. também é da área de Economia.)
  9. Como a caridade católica mudou o mundo;
  10. A Igreja e a Lei ocidental;
  11. A Igreja e a moralidade ocidental;
  12. Um mundo sem Deus.

Ele ainda gravou alguns programas, Catholic Church, builder of western civilization, que podem ser assistidos aqui.

ps.: Tradução livre do autor deste blog para o índice dos conteúdos.

O verdadeiro Che Guevara e os idiotas úteis que o idolatram

che-falso-heroiÉ impressionante como o revisionismo de esquerda conseguiu enganar, e ainda engana, tão bem a mente de milhares de pessoas com a criação de mitos. Che Guevara é, provavelmente, o exemplo mais forte disso, porém não é o mais claro.

Ainda hoje há pessoas que acreditam piamente que o “Che” foi um santo mártir que sempre se preocupou com os pobres e tal…

Pobres vítimas do marxismo cultural!

Alguns, entretanto, sabem que Ernesto Guevara não foi flor que se cheire e que a lista de crimes que o cerca é imensa.
Os que não sabem, deve ler imediatamente esta apuradíssima obra do cubano-americano Humberto Fontova que desmonta o mito do falso herói argentino: O verdadeiro Che Guevara e os idiotas úteis que o idolatram.

É um favor à humanidade desmacarar este porco assassino.
Cada blusa vendida com a foto de Che é um insulto imenso às centenas de vítimas, diretas e indiretas, de Ernesto “Che” Guevara.
Se você não vestiria uma blusa com o rosto de Hitler, Stálin ou qualquer outro monstro do século XX que manchou de sangue a história mundial, também não deveria vestir a blusa de Che Guevara.

O livro acompanha um DVD para dar mais embasamento ainda e deixar ainda mais irrefutável (se é que isto é possível) o relatório sobre este vergonha latino-americana que foi Che.

ps.: Seguindo a moda de hoje em dia, poder-se-ia fazer um Harlem “Che“ke em que se diria “porco terrorista”!

Psicose Ambientalista

A onda da vez é falar de sustentabilidade, aquecimento global antrópico, camada de ozônio e afins. A maré de informações que vomitam sobre nós é, pode-se reparar, um verdadeiro conjunto de repetições, exageros e mentiras.

Parece haver um consenso entre a mídia e alguns líderes no que tange tais temas, tornando, deste modo, verossímeis as afirmações proferidas.

  • Mas será que é mesmo verdade tudo que nos contam?
  • A mídia (marxista) é confiável?
  • Os professores e outros que estudaram com tais professores, tendo as mesmas formação e informações – e nenhuma outra mais – são de confiança?
  • Merecem credibilidade dados falsos ou incompletos, gráficos forjados, inverdades e mentiras convenientes?

A sociedade, de um modo geral, não sabe que existem (e muitos) cientistas, estudos e mesmo leis da natureza que refutam toda a baboseira que ambientalistas radicais e líderes de esquerda nos ensinam como verdades dogmáticas.

Psicose ambientalista é um dos poucos livros em português que dedica-se a enfrentar o desafio que é peitar as mentiras e exageros sobre o meio-ambiente, desenvolvimento, relação homem-natureza e outros assuntos de naipe ecológico já tidas como verdades.

O livro do intelectual e príncipe imperial Dom Bertrand de Orleans e Bragança é um apurado impressionante de dados, estatísticas, imagens, depoimentos e declarações de cientistas e estudiosos do mundo inteiro que fazem cair por terra as informações dos fanáticos pela natureza e ajudam a defender o natural direito de propriedade e o desenvolvimento.

Vale salientar que o livro não faz apologia à destruição da natureza, ao desmatamento ou a qualquer coisa que o valha; mas que deixa claro que é preciso haver uma moderação e uma divulgação da verdade quanto à natureza e a ação do homem sobre a mesma.

Recomendo fortemente a leitura desta obra sensacional que ajuda a entender nossa situação atual, o porquê de tanta mentira que se usa da natureza para justificar algumas ações políticas e/ou econômicas, quais as reais intenções destas pessoas et coetera.

Clique na imagem do livro para adquirir um.

Missa, sinônimo de Sacrifício


O Sacrifício inicia-se. O sofrimento não é pouco. Investidas e cusparadas acertam Nosso Senhor. O Cordeiro, porém, não reage. Cada golpe faz o Céu bradar de tristeza. Porém, ainda que todos os anjos gritassem e soassem cornetas simultaneamente, não seria possível ouvi-los.

Os carrascos, ao som de uma música carismática muito animada, açoitam o Cristo. Aquela tortura parece não ter fim. Após uma demora demasiada, a música termina, bem como os golpes físicos dados em Nosso Senhor Jesus, parando, assim, os dois castigos simultaneamente.

A veste de púrpura passa quase despercebida por muitos, afinal, há bastante gente vestida de uma forma, digamos, estranha para a ocasião: não muito pudica, respeitosa ou simplesmente apropriada para a singular ocasião. Algumas mulheres despiram-se de seus lenços, que outrora cobriam suas cabeças, e rasgaram as mangas de suas blusas. Alguns homens usam não mais que chinela de dedo, uma blusa e um calção. E, mais triste ainda, alguns sacerdotes tiraram suas batinas, e no sacrifício nem sempre usam todos os paramentos. O manípulo foi deixado no meio do caminho. A casula parece ter o mesmo destino.

Tecem uma coroa. O Senhor do Céu e da Terra ganha um objeto feito com algo sem valor. Não é uma bela coroa de ouro e pedras preciosas – pois isso seria um absurdo aos olhos dos comunistas de plantão –, mas um simples conjunto de espinhos. É incrível como quase ninguém ver o que está a acontecer. E Jesus é ferido mais uma vez.

O carregar da Cruz é outra dolorosa tarefa, e fica ainda mais difícil, com o povo andando para lá e para cá simplesmente para encontrar outrem que está distante para dar-lhe a paz… de Cristo!

As mulheres de Jerusalém não puderam ouvir o que disse Nosso Senhor Jesus, pois uma figura praticamente mítica, o “animador da celebração”, conclamou o povo a manter-se entusiasmado, com palmas e mais canções, desta vez de forró e pagode. O órgão e um grupo que cantava o canto gregoriano foram esquecidos e quase pisoteados pela multidão eufórica que apreciava e fazia todos os passos do samba a tocar.

Chegamos ao Calvário. Os romanos pregam o Homem-Deus na Cruz, martelando cada prego compassadamente às palmas ritmadas da assembléia que acompanha a percussão da bateria. Cada palma, uma martelada.

Pouco depois há uma salva de palmas. É difícil, porém, saber se estas são para os pagãos que fizeram o serviço bem feito, para os judeus que entregaram o Salvador ou para o habilidoso rapaz com as baquetas nas mãos.

Um grupo de dança, então, entra em cena e começa a fazer sua performance diante da Cruz. Ninguém consegue entender o motivo disso ou sequer o que a dança quis dizer, se é que quis dizer algo. Logo, porém, entra o grupo de teatro que, também no Gólgota, faz sua apresentação.

Não é preciso muito tempo para o povo esquecer de vez a Cruz, e quem nela está suspenso. De fato, às vezes a Cruz nem está lá. E no centro não fica mais o Cristo em seu sacrário pois o sacrário também perdeu seu lugar de destaque. Mas a cultura do povo, a “arte”… ah… estas, sim, têm vez e voz. E como têm!

Com o término das apresentações artísticas, a multidão vai ao delírio. Agora as palmas frenéticas são acompanhadas por assobios, gritos e até por pedidos de bis. A ovação é surpreendente e contrasta de maneira incrível com o semblante de uma mãe desesperada que, aos pés de uma certa cruz, chora o sofrimento do filho.

O povo, também presente neste mesmo sacrifício, reage de maneira diferente. Indiferente.

Mas o latim na placa da Cruz não passa despercebido e alguns querem que a mensagem seja escrita em grego, hebraico e vernáculo.

O vinagre e a esponja, usadas para pôr um gosto mais amargo ainda na penúria do Galileu, foram trazidos por moçoilas que entraram dançando com um pote e uma pequena bandeja.

Pouco antes de morrer, Nosso Senhor dá um grande grito. Ninguém ouviu. O solo de guitarra não deixou.

Nosso Senhor Jesus Cristo, então, morre.

O véu do templo rasga-se. E isto chama a atenção de alguns, fazendo com que um pequeno grupo vá imediatamente substituí-lo, colocando em seu lugar um pano estranho com cores e mais cores cujo único elo que as liga ser o fato de não terem significado litúrgico.

Um grande tremor de terra ocorre. Muitos pensam que é apenas as caixas de som com a batida da swingueira.

Escureceu. Bom momento para os fogos de artifícios.

Com tanta música animada e coreografias, não surpreende a multidão não lembrar, e os mais novos e indoutos não saberem, que tudo isso trata-se de um sacrifício, e não de uma festa.

Mas os que tentam lembrar que o principal não é a cultura daquele local ou o contentamento do povão, mas aquEle que está na Cruz do meio e que é ao mesmo tempo sacerdote, vítima e Deus, são calados ou não são ouvidos, assim como os poucos que não gritaram por Barrabás.

É confortante, entretanto, lembrar da Primeira Eucaristia. Na Santa Ceia, os apóstolos certamente, e felizmente, não pularam nenhuma música dos padres Marcelo Rossi ou Fábio de Melo.

Jedson Bernardino Guedes
† Aeternus seruus Dei

O problema da verdade

O projeto Legado Montfort, graças a Deus, pôde novamente colocar as suas aulas em vídeo no YouTube.

Não sei por qual motivo mas antes, por um bom tempo, os vídeos estavam disponíveis apenas no Gloria.tv.

Mas agora, o público-alvo será bem maior, a facilidade de divulgação também é superior e, certamente, um número maior de pessoas poderá se beneficiar com essas aulas incríveis, de bastante conteúdo, coerência e ética – três dos pilares fundamentais da educação e que há tempos não vemos nas escolas brasileiras tão contaminada com a maldita infiltração marxista.

O problema da verdade

A aula é apresentada de forma simples, suscinta, possibilitando a qualquer um, por mais leigo que seja no assunto, entendê-la.

O pecado tem direitos?

Comentários sensacionais do Padre Lodi da Cruz. Recomendo fortemente a leitura deste fabuloso texto.

***

Escrito por PE. LODI DA CRUZ | 10 JANEIRO 2012

No dia 06/12/2011, o jornal O Globo publicou “CNBB e Marta fazem acordo sobre projeto que criminaliza homofobia” [1]. A notícia causou perplexidade na comunidade católica. Como poderia uma Conferência Episcopal fazer algum acordo sobre um projeto que pretende exaltar o homossexualismo e punir como criminosos os que se opõem a ele? Rapidamente a CNBB publicou uma nota oficial desmentindo o suposto “acordo”. Eis o seu inteiro teor:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Brasília, 07 de dezembro de 2011

A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por fidelidade a Cristo e à Igreja, no firme propósito de ser instrumento da verdade, vem esclarecer que, atendendo à solicitação da senadora Marta Suplicy, a recebeu em audiência, no dia 1º de dezembro de 2011, e ouviu sua apresentação sobre o texto substitutivo para o PL 122/2006.

A presidência da CNBB não fez acordo com a senadora, conforme noticiou parte da imprensa. Na ocasião, fez observações, deu sugestões e se comprometeu com a senadora a continuar acompanhando o desenrolar da discussão sobre o projeto. Reiterou, ainda, a posição da Igreja de combater todo tipo de discriminação e manifestou, por fim, sua fraterna e permanente disposição para o diálogo e colaboração em tudo o que diz respeito ao bem da pessoa humana.

Cardeal Raymundo Damasceno Assis

Arcebispo de Aparecida
Presidente da CNBB [2]

A nota gerou alívio e apreensão. Alívio por esclarecer que não houve acordo. Apreensão porque a CNBB não disse que repudiava o projeto. Ao contrário, segundo a nota, a CNBB recebeu a senadora, “fez recomendações” e “deu sugestões”, dando a entender que o projeto em si poderia ser aproveitado com emendas. Por fim, afirmou que a Igreja está disposta a “combater todo tipo de discriminação”, sem distinguir a discriminação justa da injusta.

Parece, portanto, haver um perigo real de o projeto anti-“homofobia” ser aprovado com a complacência ou ao menos com a tolerância de nosso episcopado.

Existem discriminações justas

A nota de esclarecimento da presidência da CNBB diz que a Igreja combate “todo tipo de discriminação”. Supõe, portanto, que uma “discriminação” seja sempre injusta. Mas, objetivamente, não é assim. Na verdade, existem discriminações justas e até mesmo necessárias. A discriminação é, de fato, uma das práticas mais normais da vida social. Todos nós a praticamos dia a dia. Ao aplicar uma prova, o professor discrimina os alunos que tiraram notas altas daqueles que tiraram notas baixas. Aqueles são aprovados. Estes são reprovados. Ao escolher o futuro cônjuge, as pessoas geralmente fazem uma discriminação rigorosa, baseadas em diversos critérios: qualidades morais, inteligência, aparência física, timbre de voz, formação religiosa etc. Entre centenas ou milhares de candidatos, somente um é escolhido. Os outros são discriminados. Ao selecionar seus empregados, as empresas fazem uma série de exigências, que podem incluir: sexo, escolaridade, experiência profissional, conhecimentos específicos, capacidade de relacionar-se com o público etc. Certos concursos para policiais ou bombeiros exigem, entre outras coisas, que os candidatos tenham uma determinada altura mínima, que não ultrapassem uma certa idade e que gozem de boa saúde. Todos esses são exemplos de discriminações justas e necessárias.

Outros poderiam ser dados. O ladrão que é apanhado em flagrante é preso. A ele, como punição pelo furto ou roubo, é negada a liberdade de locomoção, que é concedida aos demais cidadãos. A prisão é um lugar onde, por algum tempo, são discriminados (com justiça) aqueles que praticaram atos dignos de discriminação.

Existem discriminações injustas

Se é justo privar da liberdade um criminoso (que perdeu o direito a ela pela prática de seu crime), não é justo negar a liberdade a alguém em virtude de sua cor. A escravidão dos negros, abolida no Brasil em 1888, é um exemplo de discriminação injusta. Também não é justo privar uma criança do direito à vida por causa de uma doença incurável, como querem os defensores do aborto eugênico. Um bebê deficiente tem o mesmo direito de nascer que um bebê sadio. Lamentavelmente, a senadora Marta Suplicy (PT/SP), quando era deputada federal, em 1996, foi autora de um projeto de lei (o PL 1956/96) que pretendia legalizar tal discriminação injusta.

Não é justo que a Igreja prive alguém da Santa Missa ou dos sacramentos por causa de sua pobreza ou condição social. Mas é justo (e necessário) que aqueles que estão em pecado grave abstenham-se da Comunhão Eucarística, sob pena de cometerem um sacrilégio.

Por isso, o Catecismo da Igreja Católica teve o cuidado de distinguir: “evitar-se-á para com eles [os homossexuais] todo sinal de discriminação injusta” (n.º 2358). O texto supõe, portanto, que a Igreja admite discriminações justas para com os homossexuais. E de fato admite. Uma delas é a proibição de receberem a Sagrada Comunhão, enquanto não abandonarem seu pecado (o que vale também para qualquer outro pecado grave). Outra é a impossibilidade de serem admitidos em seminários e casas religiosas.

Os homossexuais têm direitos?

Na sua primeira carta aos coríntios, São Paulo enumera alguns dos que não herdarão o Reino de Deus: “Não vos iludais! Nem os impudicos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os depravados, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os injuriosos herdarão o Reino de Deus” (1Cor 6,9-10). Nesta passagem o Apóstolo usa duas palavras para designar os homossexuais: malakói (efeminados) e arsenokóitai (sodomitas).

Será que nenhum dos que foram enumerados acima têm direitos? Certamente que têm. O empregado que trabalhou para mim durante um mês tem direito a receber seu salário, mesmo que lamentavelmente se tenha embriagado. O ladrão que furtou meu dinheiro conserva seu direito à vida (e por isso eu não posso matá-lo).

Mas o ladrão não tem direito à vida como ladrão, e sim como pessoa. Da mesma forma, o bêbado não tem direito ao salário como bêbado, e sim como pessoa que trabalhou.

Assim, se o homossexual tem algum direito – e o tem de fato –, não o tem como homossexual, mas como pessoa. E assim como não faz sentido elaborar uma Carta dos Direitos dos Ladrões ou uma Declaração dos Direitos dos Bêbados, é absurdo uma lei que defenda os “Direitos dos Homossexuais”.

Sendo um pecado (e um pecado contra a natureza!), o homossexualismo não acrescenta direitos à pessoa. Ao contrário, priva-a de direitos, a começar pelo direito ao Reino de Deus.

O que pretende o PLC 122/2006?

Os defensores dos supostos direitos dos homossexuais apregoam que estes são continuamente vítimas de violência. Segundo os homossexualistas, haveria até mesmo “esquadrões da morte” para exterminar homossexuais.

Ora, os que investem contra a família não têm compromisso com a verdade. Vamos, porém, apenas por hipótese, supor que haja muitos homicídios contra pederastas e lésbicas. Esse crime já está enquadrado no artigo 121 do Código Penal: “matar alguém”. Pena: “reclusão, de seis a vinte anos”. Note-se que o homossexual não pode ser morto porque ele é alguém, ou seja, uma pessoa humana, não porque ele é praticante do homossexualismo.

Imaginemos agora que um homossexual seja assassinado por um suposto “esquadrão da morte”. Esse delito está previsto na Lei 8072/80, que considera crime hediondo “o homicídio (art. 121), quando praticado em atividade típica de grupo de extermínio” (art. 1º, I).

Que pretende então a senadora Marta Suplicy, relatora do PLC 122/2006? Que nos casos acima, o autor do crime receba um aumento de pena pelo fato de a vítima ser homossexual. Ora, isso é um absurdo! Significa acrescentar direitos a alguém pelo fato de este alguém ter cometido um pecado. Esta é a essência do projeto anti-“homofobia”: dar direitos ao pecado.

Por ser essencialmente mau, o PLC 122/2006 não pode ser “emendado”. Não adianta, como tentou fazer a senadora, acrescentar um artigo tolerando a “manifestação pacífica de pensamento” contra o homossexualismo.

É verdade que se o PLC 122/2006 for aprovado, ocorrerá no Brasil o que já está ocorrendo em outros países que fizeram leis semelhantes: uma perseguição aos cristãos e a instauração da tirania homossexual.

Mas ainda que, por hipótese, esses nefastos efeitos não ocorressem, o projeto seria inaceitável. O motivo é simples: a pessoa não tem direitos especiais pelo fato de cometer uma determinada falta moral. É isso que se espera que os Bispos expliquem aos fiéis.

Anápolis, 8 de janeiro de 2012.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis
www.providaanapolis.org.br

Notas:

[1] http://oglobo.globo.com/pais/cnbb-marta-fazem-acordo-sobre-projeto-que-criminaliza-homofobia-3395127

[2] http://www.cnbb.org.br/site/imprensa/noticias/8262-nota-de-esclarecimento-sobre-projeto-de-criminalizacao-da-homofobia

Notificação de Dom Antonio Rossi Keller, bispo de Frederico Westphalen, sobre a recepção da Sagrada Eucaristia.


Que o Menino Deus inspire os bispos do Brasil a seguir o exemplo de Dom Antonio Rossi Keller.

 

DOM ANTONIO CARLOS ROSSI KELLER

PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA

BISPO DE FREDERICO WESTPHALEN (RS)

NOTIFICAÇÃO A RESPEITO DA RECEPÇÃO DA SAGRADA EUCARISTIA

A Igreja sempre ensinou a necessidade da devida preparação para a recepção da Sagrada Comunhão.

Tal preparação é, antes de tudo, espiritual, mas inclui também aspectos materiais e formais. Para se receber bem a Santíssima Eucaristia, deve-se:

a. Estar em estado de Graça santificante, o que significa dizer, que não se tenha nenhum pecado grave na alma;

b. Saber a quem se vai receber na Sagrada Comunhão, ou seja, ser capaz de distinguir o Pão Eucarístico: Corpo, Sangue, Alma e Divindade do Senhor, alimento de nossa alma, do pão comum, alimento do nosso corpo;

c. Guardar o jejum eucarístico, ou seja, não tomar nenhum alimento durante o período de 1 hora que antecede a Sagrada Comunhão. Água e medicamentos não quebram o jejum.

São estas as indicações fundamentais para a recepção digna da Sagrada Eucaristia. Naturalmente que a recepção frutuosa depende muito mais do que o simples cumprimento destas regras: é preciso acolher amorosamente o Senhor que vem ao nosso encontro, na Sagrada Comunhão.

Além disso, materialmente, a recepção da Sagrada Comunhão deve realizar-se através das diversas formas indicadas pela Igreja:

a. Sempre respondendo “AMÉM” após o Sacerdote ou o Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística ter dito “O Corpo de Cristo”;

b. Desejando receber a Sagrada Eucaristia em pé, seja diretamente na boca ou na mão, antes deve-se fazer uma inclinação profunda, como sinal de respeito e adoração;

c. Recebendo a Sagrada Eucaristia na mão, deve-se estender a mão esquerda, espalmada, e colocando a mão direita por baixo desta, depois, na frente de quem entregou a Sagrada Comunhão, leva-se a Sagrada Comunhão à própria boca, usando para isto a mão direita;

d. Recebendo-se a Sagrada Comunhão de joelhos, e portanto, na boca, não está previsto nenhum tipo de gesto anterior.

Nesta NOTIFICAÇÃO PASTORAL gostaria de comunicar que, a partir da Missa da Noite do Natal do Senhor de 2011, na Catedral Santo Antonio, o Bispo Diocesano distribuirá sempre que possível, a Sagrada Comunhão para pessoas ajoelhadas em genuflexório, colocado no corredor central da Catedral. Os demais sacerdotes e Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística continuarão a distribuir a Comunhão nos outros locais, para as pessoas que costumam comungar nas demais formas.

A razão fundamental para esta decisão fundamenta-se no DIREITO que os fiéis cristãos têm em também receber a Sagrada Comunhão de joelhos. “…a negação da Santa Comunhão a um dos fiéis, por causa de sua postura de joelhos, deve ser considerada uma violação grave de um dos direitos mais básicos dos fiéis cristãos, nomeadamente daquele de serem assistidos pelos seus pastores através dos sacramentos (CDC, cânon 213). Mesmo lá onde a Congregação aprovou a legislação em que declarou o estar de pé como posição para a Santa Comunhão, de acordo com as adaptações permitidas às Conferências Episcopais… assim o fez estipulando que aos fiéis que comungam, e escolhem de ajoelhar, não deve ser negada a Santa Comunhão por este motivo. (S. Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, Carta de 1 de julho 2002; Notitiae (2002), 582-585).

Nestes últimos anos, o Santo Padre o Papa Bento XVI, tanto em Roma, como em outros lugares, por ocasião de suas visitas apostólicas, tem distribuído a Sagrada Comunhão para fiéis que se colocam sempre de joelhos. A intenção do Santo Padre é clara: além de recuperar um direito muitas vezes esquecido, fundamentalmente visa fortalecer uma visão de sacralidade que a Sagrada Eucaristia deve sempre ter na vida do cristão.

Além de determinar tal uso na Catedral, nas Missas presididas pelo Bispo Diocesano, peço também aos senhores padres que generosamente favoreçam este uso em suas Paróquias e Comunidades, para aqueles fiéis que assim gostariam de receber a Sagrada Comunhão.

Desejando a todos os diocesanos um Santo Natal e um ano de 2012 cheio das graças do Senhor, a todos abençôo no Senhor.

Frederico Westphalen, 24 de dezembro de 2011.

+ Antonio Carlos Rossi Keller

Bispo de Frederico Westphalen
————–
Retirado de Católicos Conservadores, com destaques meus.

São Paulo pela vida

Que o aborto não passa de um assassinato de criança, ou melhor, de um infanticídio, isso ninguém nega. O problema é que mesmo sendo uma prática que atenta à vida, ao direito natural à vida que todos nós temos, esta desgraça continua a ser defendida por alguns.

Como os pobres bebês não podem defender-se – o que dá a este crime um tom ainda mais covarde -, devemos, pois, nós, defensores da vida fê-lo. Eis aqui mais uma oportunidade. É a campanha São Paulo pela vida.

O que esse movimento propõe é uma emenda à constituição do Estado de São Paulo em defesa da vida. Assegurando o direito à vida, desde o nascimento até à morte natural.

Que mais Estados deste nosso Brasil de N. Senhora Aparecida e de seu amado e único filho Nosso Senhor Jesus Cristo possam aderir e/ou criar campanhas semelhantes. Mobilizamo-nos!

Eis o texto na íntegra:

MOVIMENTO DE CIDADANIA – PROPOSTA DE PROJETO DE INICIATIVA POPULAR PARA EMENDA À CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO EM DEFESA DA VIDA

Nós, cidadãos eleitores paulistas, apresentamos à Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, a seguinte proposta de emenda constitucional, que acrescenta os artigos 217-A, 218-A
e altera o art. 277, com o acréscimo das expressões “ao nascituro” e “desde a fecundação até a morte natural”, com as seguintes redações:

TÍTULO VII – Da Ordem Social – CAPÍTULO I – Disposição Geral – Artigo 217-A – Ao Estado cumpre assegurar o direito integral à vida como primeiro e principal de todos os direitos humanos. /

CAPÍTULO II – Da Seguridade Social – SEÇÃO I – Disposição Geral / Artigo 218-A – O Estado assegurará a inviolabilidade da vida humana desde a fecundação até a morte natural. /

CAPÍTULO VII – Da Proteção Especial – Seção I – Art. 277 – Cabe ao Poder Público, bem como à família, assegurar ao nascituro, à criança, ao adolescente, ao idoso e aos portadores de deficiências, com absoluta prioridade, o direito à vida desde a fecundação até a morte natural, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e agressão.