Quão escura foi a Idade das Trevas?

Não é raro encontrarmos pessoas repetindo o que lhes foi contado em aulas e história nos ensinos fundamental e médio, sem antes averiguar em outras fontes se tais afirmações são mesmo verdadeiras. A Idade Média é talvez o caso mais comum disto.

Quantas pessoas você já não viu usando a expressão “Idade das Trevas” para designar o período entre a queda do Império Romano e a Renascença?

Mas quantas vezes você se questionou se a Idade Média foi mesmo um período de superstição, tristeza, ausência de cores, medo e ignorância? Será que podemos acreditar em absolutamente tudo que nos é ensinado nas escolas, ainda mais sabendo do viés que há, principalmente no sistema de ensino brasileiro?

O vídeo a seguir é um convite a conhecer melhor a Idade Média, tomando conhecimento de fatos muitas vezes, propositadamente ou não, ocultados de nós.

ps.: Agradecimento ao meu amigo Demetrius, pela a ajuda com as legendas.
ps.: O autor deste blog não endossa todo o conteúdo produzido e/ou publicado pela Prager University. A relevância e conteúdo deste vídeo é que fizeram valer sua legendagem e publicação aqui.

Palestra – Foro de São Paulo

Exímia conhecedora da história recente da América Latina e respeitada intelectual, Graça Salgueiro domina o tema como ninguém no Brasil, e proferiu a seguinte palestra que é, sem dúvida um must-watch a todos os brasileiros e latino-americanos, em geral.

Vale a pena ver esta aula! É impossível entender o que está acontecendo em nosso continente e as políticas interna e externa de nosso país e seus vizinhos sem saber o que é esta organização que está associada às FARC e ao MIR chileno e que busca recuperar o que foi perdido com o fim da União Soviética. Daí, a relação estreita de muitos países da América Latina com Cuba e a expansão do bolivarianismo em nosso continente.

Dez conselhos para quem quer lutar pelos seus direitos na Universidade

O professor Ricardo da Costa deu no seguinte texto uma série de dicas para quem deseja fazer um trabalho em um tema e, por algum motivo, professores universitários, coordenações de curso ou universidades rejeitam ou colocam entraves e mais entraves.

O texto foca na questão de trabalhos de História relacionados à Idade Média, sua área de domínio. Porém, a qualquer um são úteis as informações a seguir. E nunca opte pela décima opção!

Como se não bastasse a propaganda mentirosa que professores ensinam sobre a Idade Média, há mais isso: eu recebo, há tempos, e de várias partes, mensagens de alunos queixosos que desejam estudar o período medieval em seus trabalhos finais de graduação e são constrangidos por professores com discursos do tipo “É um trabalho difícil”, “Não há fontes disponíveis”, “Não há ninguém que possa te orientar nesse assunto”. Bem, eu sugiro aos interessados (QUE DESEJAM LUTAR PELOS SEUS DIREITOS) que:

(1) Tão logo ingressem em seu curso de graduação, peçam o seu Regimento Interno (que tem os direitos e deveres de alunos e professores). Leiam-no CUIDADOSAMENTE. Verão que, ao ingressar em sua universidade, os alunos têm direitos (e deveres, certamente). Um deles é a obrigação de a Instituição dar um orientador para o que você escolheu pesquisar;

(2) Ao solicitarem QUALQUER COISA à sua instituição, façam POR ESCRITO, com duas vias – uma para o órgão competente, outra para você (que deve ser assinada, carimbada e datada pelo funcionário que receber seu pedido);

(3) Há prazos institucionais para você receber sua resposta POR ESCRITO – e ela deve ter uma justificativa com base na Lei;

(4) Caso seu pedido seja negado, e com uma justificativa estapafúrdia – a parte interessada pode recorrer. ATÉ A REITORIA (e, caso seja uma federal, até o Supremo);

(5) Se a direção de seu curso disser que não há professores capazes de orientá-lo, diga ao chefe: “Não é culpa minha. É obrigação da Instituição prover meu desejo, de acordo com o item “x” da Resolução…;

(6) As universidades costumam estabelecer relações interinstitucionais entre elas. Para isso, basta o chefe de seu curso entrar formalmente em contato com o chefe da outra universidade (que tem um especialista em medieval) e solicitar a orientação. Com a Internet, tudo ficou mais fácil – pode haver (e há) orientação à distância;

(7) Por falar em Internet, quando alguma anta com título de doutor te disser que não há fontes disponíveis, mostre ao paquiderme as centenas de obras medievais traduzidas e publicadas NO BRASIL, ou os sites que disponibilizam os textos – só no meu site eu ofereço um monte (Veja em http://www.ricardocosta.com/textos);

(8) Acima de tudo, ESTUDE. Por conta própria. Não espere nada da universidade. NÃO ESPERE NADA DE NINGUÉM. NADA! Por exemplo, um bom começo: ESTUDE sua língua materna. Prepare-se. O início passa OBRIGATORIAMENTE pelo estudo da língua pátria. Não dá para lutar por direitos sendo uma pessoa semi-alfabetizada;

(9) Prepare-se para a luta. Tenha uma postura republicana, cívica;

(10) ALTERNATIVA: pare de reclamar e faça o que mandarem.

Abraço!

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civlização ocidental

Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental
How the Catholic Church built western civilization
Thomas E. Woods Jr.

2005
Avaliação (5 de 5): 

O historiador Thomas E. Woods Jr., PhD, faz nesta obra um apurado de fatos que mostram a contribuição, a gigantesca contribuição, que a Igreja Católica deu para a formação da nossa civilização Ocidental, tão atacada hoje em dia.

Avanços científicos, controvérsias e polêmicas são descritas de uma forma imparcial, mostrando-nos o que muitas vezes nos é ocultado, proposital ou involuntariamente, nas aulas de história nas universidades brasileiras bem como nos ensinos fundamental e médio, seja por ignorância, seja por mau caráter, justamente proveniente dos que querem tanto atacar a Civilização Ocidental que, devido às suas sólidas bases com o direito romano, a filosofia grega e a moral judaico-cristã,  impede a implantação de utopias totalitárias.

Quantos não pensam que a Igreja foi contra a Ciência e que era medieval foi uma “época de trevas”? O que muitos não sabem é que foi a Igreja, segui quem fundou as Universidades e justamente durante a Idade Média! As Universidades de Bologna, Salermo, Sorbonne, Montpellier, Roma e Siena são apenas algumas das mais antigas e notáveis.

São informações como estas que encontramos nesta obra que é sem dúvida, para todos, católicos ou não, ocidentais ou não, must-read.

Vale lembrar que o professor Woods Jr. nem era católico.

Para se ter uma noção do que é abordado no livro, deixo um índice com alguns dos conteúdos nele inseridos:

  1. A Igreja indispensável;
  2. Uma luz nas trevas;
  3. Como os monges salvaram a civilização;
  4. A Igreja e a Universidade;
  5. A Igreja e a Ciência;
  6. Arte, arquitetura e a Igreja;
  7. As origens da Lei internacional;
  8. A Igreja e a Economia; (Vale salientar que Thomas Woods Jr. também é da área de Economia.)
  9. Como a caridade católica mudou o mundo;
  10. A Igreja e a Lei ocidental;
  11. A Igreja e a moralidade ocidental;
  12. Um mundo sem Deus.

Ele ainda gravou alguns programas, Catholic Church, builder of western civilization, que podem ser assistidos aqui.

ps.: Tradução livre do autor deste blog para o índice dos conteúdos.